03 março 2016

Um Rápido Perfil da Espécie para Alienígenas Visitantes



© Alessandro Loiola


Aproveitando que vocês estão de passagem, esticando o pescoço pela janelinha da nave pra ver lá embaixo, quero adiantar umas coisas. Seguinte: nos fazemos de santos cheios de intenções altruístas, mas no fundo é só disfarce, ok? Não se enganem quando desembarcarem. O comportamento humanitário é um salva-telas, uma salpicada de manjericão em uma imensa tigela de pimentas beligerantes, traiçoeiras e vingativas.  

Uma contenda de animais que chamamos de "Irracionais" raramente termina na morte de um deles. Em geral, trata-se de uma tomada de forças por território ou fêmeas em que os concorrentes se medem. Terminada a batalha, o perdedor não retorna na calada da noite para invadir a casa do vencedor e trucidar sua família. Existe um pacto de honra silencioso, um tipo de respeito instintivo pelo resultado. Por outro lado, desavenças entre humanos costumam levar a desfechos bem diferentes.

E não guerreamos apenas por fêmeas, alimentos ou territórios: cometemos genocídios baseados em ideias. Ideias de riqueza, de conforto, de lucro, de sucesso, de status, de domínio por prazer, pela supremacia de crenças abstratas. É assim que extinguimos nossos recursos: porque são lucrativos, ou ameaçadores, ou desejáveis, ou belos, ou por nada.

Não estranhem: assassinamos por nada. De verdade. Vejam um documentário no Discovery e lá estará um leão espantando uma mosca zunindo em sua orelha; ele não a persegue ensandecido numa fúria homicida savana afora, armado de pesticidas e inseticidas de alta tecnologia. Ele espanta a mosca e só. Nós, os Burros Sapiens, liquidamos a esmo.  

As evidências de violência gratuita aleatória em nossa série histórica são contundentes. Mas vocês não precisarão ir longe e decifrar vestígios arqueológicos pra enxergar isso: basta sintonizar um canal de TV num noticiário qualquer e perceberão como somos eficientes em matarmos até a nós mesmos por nada - mas esta peculiaridade, do ponto de vista da Natureza, poderia inclusive ser considerada uma forma de controle de pragas. 

De resto, espero que tomem um bom café e curtam o planeta, viu? Apesar do elenco de primatas com enredo repetitivo, as paisagens valem mesmo à pena.

 

Um comentário:

carlos augusto palotte disse...

Realmente as paisagens são incríveis,vale a pena uma paradela, mas cuidado ! !