22 outubro 2017

AS NOVAS SEITAS DOS NOVOS DIAS

Podemos dizer que a atual Seita da Perpétua Felicidade Nacional, que produz memes ansiosos de autocomiseração e legendas de carência em terceira pessoa acompanhando fotos no Facebook, foi inaugurada no Brasil por Paulo Coelho em 1987 com o livro Diário de um Mago.

De lá para cá, técnicos escolásticos e catedráticos desembarcaram com containers recheados de técnicas de PNL e Marketing Multinível para financiar suas catedrais. Hoje, vemos finalmente proliferar em cada esquina os novos profetas com suas palavras de coaching sistêmico.

Do outro lado da rua, canhotos oprimidos, jovens refratários à maturidade e tenras ovelhas cristãs torcem o nariz para o cortejo que acompanha atentamente o bolo de Sucesso com cobertura de Riqueza - menos por nojo que pela água na boca cheia de vontade de mordiscar um pedaço de ambos.

E a Força, a Honra, a Coragem, a Sabedoria e a Disciplina seguem em coma induzido.

SOBRE LÓGICA & RELIGIÃO

A Lógica consiste no exercício aplicado do raciocínio. É fazer afirmações e assumir premissas apenas após o estudo sistemático das formas válidas de inferência.

A Religião, por outro lado, é a negação voluntária da capacidade de raciocínio em troca da aceitação obsequiosa de dogmas consoladores, superstições protetoras e qualquer outro relativismo que possa ser customizado à justificativa de procrastinação e isenção de responsabilidades.

São, portanto, diferentes, imissíveis, incongruentes e essencialmente excludentes uma da outra.

Segundo o dicionário, Ignorar significa (1) não conhecer, não saber; (2) desconhecer por não ter a experiência, a prática de alguma coisa.

Fé (do Latim fide), por sua vez, é a adesão de forma incondicional a uma hipótese que a pessoa passa a considerar como sendo uma verdade sem qualquer tipo de prova ou critério objetivo de verificação, pela absoluta confiança que se deposita nesta ideia ou fonte de transmissão.

De onde se deduz que a Fé - tijolo e argamassa de qualquer religião - baseia-se em um conjunto de ignorâncias, na aceitação de um desconhecido assumindo de antemão a desnecessidade de verificar, de qualquer ângulo possível, sua veracidade absoluta.

Argumentar sobre a validação lógica de um credo escolástico com um religioso é como discutir com um esquizofrênico que não existem unicórnios de purpurina azul, porque eles na verdade são cor de rosa e se alimentam de arco-íris.

Explorar racionalmente o mérito do delírio da fé utilizando imagens colhidas de dentro de seu próprio terreno jamais solucionará a questão da alucinação voluntária. Enxugar gelo e cavar um buraco na água produziria melhores resultados.

SOBRE A ESPERANÇA POR MERITOCRACIA

Passamos boa parte do século XX permitindo confortavelmente a construção de uma consciência nacional comunista. O resultado dessa mentalidade pode ser vista a partir de alguns índices reveladores: ocupamos a 175a posição no ranking mundial de "facilidade para se abrir uma empresa", somos o número 123 entre os melhores lugares para se fazer negócios, o 81o em competitividade, e nosso PIB ocupa a última posição em uma lista de 39 países. Três décadas de redemocratização pró-socialista nos deixaram na 60a posição de um ranking mundial de educação envolvendo 76 países.

Em pleno 2017, multidões de brasileiros assentados em sua subserviência insistem em conceituar Meritocracia como "começar do zero", descartando imediatamente o mérito de todo progresso surgido a partir das conquistas da geração anterior. O Mérito tornou-se intrinsecamente vinculado à obrigação do Estado-pai em prover igualdades prévias - por consequência, eximindo o indíviduo de qualquer responsabilidade pela missão do esforço pessoal.

Segundo esse raciocinio limitado, na ausência de politicas educacionais eficientes, a validade do Mérito exigiria que fôssemos todos nivelados desde a origem pela miséria purificadora. Fora desse cenário igualitário utópico, qualquer menção à Meritocracia é sumariamente conduzida para a velha guilhotina do discurso da luta de classes, com opressores oligarcas canibais de um lado e desafortunados congênitos oprimidos do outro.

O fato é que a dialética Meritocrática, protestante, liberal e capitalista não encontra eco consistente por aqui: o povo, há décadas mentalmente adoecido pelo eterno sonho da terra prometida engendrado pelo socialismo católico tupiniquim, tornou-se dependende de clonazepam, fluoxetina, analfabetismo funcional e empregabilidade estatal. E o poço apenas fica mais fundo a cada geração.

E você acha mesmo que essa maldição cultural de séculos se resolverá em um passe de mágica quando retornarmos os votos para cédulas de papel?

19 outubro 2017

SUPLEMENTOS DE CROMO AJUDAM A CONTROLAR O DIABETES?


Não, não ajudam.

Em uma das consultas de hoje, fui questionado sobre outra dessas “descobertas incríveis que os médicos não querem que você saiba”. É incrível como na internet pululam achados extraordinariamente simples para problemas médicos complexos e ancestrais, quase como se cada site de medicina alternativa escondesse uma legião de potenciais ganhadores do Nobel. A verdade é que eles não escondem. São apenas o bom e velho charlatanismo com roupas lustrosas de marketing moderno.

Neste caso específico, o paciente se achava no dever de informar que estava utilizando um suplemento de Picolinato de Cromo. Segundo a notícia que havia recebido por e-mail e confirmado após extensas leituras - todas, obviamente, feitas na página do fabricante do referido suplemento -, esta dádiva da medicina alternativa era capaz de operar milagres no excesso de açúcar em seu sangue. Curiosamente, o dextro dele estava em 247 mg/dL.

Imbuído do benefício da dúvida, fui pesquisar o que havia de real nisso. Descobri que o Picolinato de Cromo é comercializado quase como uma panacéia. De acordo com os vendedores de fumaça na internet, o Picolinato “melhora seu nível geral de disposição, facilita a perda de peso, diminui o trabalho do pâncreas, otimiza o metabolismo da glicose e aumenta a queima de gorduras”. Só faltou tirar nome do SPC, encontrar cachorro perdido e trazer o amor bandido de volta...

Uma volta na base de dados Pubmed e foi possível ver que, desde 1998, diversos estudos avaliaram seriamente os efeitos do Picolinato de Cromo.

Em uma pesquisa realizada em ratos, os cientistas concluíram que a suplementação com Picolinato poderia melhorar a sensibilidade periférica à insulina. Uma outra pesquisa, desta vez envolvendo 39 seres humanos com diabetes e idade média de 73 anos, empregou um grupo controle para avaliar o efeito do Picolinato (200 mcg duas vezes ao dia por 3 semanas), e encontrou diferenças significativas positivas na glicemia e nos níveis de colesterol entre os indivíduos tratados e o grupo controle. Tudo parecia estar indo bem para o Picolinato.

De fato, o cromo é um mineral essencial que parece ter um efeito benéfico na regulação da ação da insulina no organismo, afetando o metabolismo de carboidratos, proteínas e lipídios. Estudos também mostraram que pessoas com diabetes tipo 2 possuem níveis sanguíneos de cromo abaixo daqueles de pessoas não-diabéticas. Uma revisão sistemática da literatura realizada em 2006 avaliou 13 estudos clínicos (incluindo 11 estudos randomizados e controlados), envolvendo 1.690 pacientes, e sugeriu que existem efeitos positivos da suplementação com Picolinato de Cromo sobre os níveis de glicose, insulina, colesterol e triglicérides. Além disso, a suplementação com Picolinato de Cromo, especificamente, foi demonstrada como sendo bem segura. Mas seria de fato eficaz acima de qualquer dúvida?

Um estudo realizado em 2011, envolvendo 50 pessoas recebendo doses diárias de 500 mcg ou 1000 mcg de Picolinado de Cromo por 6 meses (idades entre 31 e 88 anos), não foi capaz de encontrar qualquer efeito da suplementação de cromo sobre os níveis de glicohemoglobina, peso, circunferência abdominal, índice de massa corporal, pressão arterial, colesterol total, HDL, LDL, triglicérides ou microalbuminúria. Estes resultados foram congruentes com outros estudos clínicos randomizados realizados com pacientes com síndrome plurimetabólica.

Ao que parece, quando o desenho do ensaio clínico é aprimorado para eliminar vieses de controle - reduzindo assim a variabilidade dos resultados -, os resultados mudam e o cromo perde seu efeito prodigioso.

Em resumo: considerando-se os dados disponíveis até o momento, não existem evidências sólidas que apoiem a recomendação de suplementos de cromo como parte rotineira do tratamento de pessoas com diabetes tipo 2.


16 outubro 2017

SOBRE A FALÊNCIA DA REDEMOCRATIZAÇÃO


Leio e ouço pessoas falando das dificuldades de nosso processo de redemocratização... me surpreendo com elas: e desde quando nosso comunismo tupiniquim foi uma democracia? 

O governo gigantesco cuidando de tudo, normatizando tudo, sufocando o empreendedorismo, vilipendiando a meritocracia, amaldiçoando o capital, desdenhando a prosperidade econômica, violando o princípio de propriedade, superfaturando impostos cumulativos, soterrando a inovação com burocracias infinitas, estimulando a dependência do Estado, louvando terroristas como heróis, apoiando regimes totalitários, menosprezando o valor da vida de seus cidadãos com políticas de segurança pública inexistentes, tornando a educação uma ferramenta de doutrinação idiotizante e medíocre...

Onde essas pessoas delirantes conseguiram ver "redemocratização"? Somos um pais socialista/comunista há séculos! E não adianta virar o rosto e chamar pimenta de pudim: ela não irá arder menos por isso. 

Só quando assumirmos a realidade com todas as letras e dores do ego será possível fazer algo a respeito. Até lá, seguimos em surto esquizofrênico

SOBRE O USO DE PLACEBOS EM PESQUISAS

Há alguns anos, o anacrônico Conselho Federal de Medicina (CFM) vem discutindo o uso de placebos em pesquisa clínica. Como é de praxe, o CFM posicionou-se em sintonia ao fisiologismo corporativista tão em moda nesse século de retrocessos e, em suas oficinas de debates, alinhou-se messiânica e unilateralmente ao proposto na versão de 2008 da Declaração de Helsinque -  que condena veementemente o emprego de placebos.

Em um excelente artigo, lúcido e realista, pesquisadores do Laboratório de Endocrinologia Molecular e Translacional da USP ergueram uma voz quase solitária em defesa do método científico, propondo uma customização no emprego de placebos. O texto é extremamente recomendada para profissionais de saúde.

Realmente desanimador ver como o CFM, a Associação Médica Brasileira e a Associação Médica Mundial se destacam como os arautos da nova ciência humanista do Século XXI – que mais se assemelha a uma religiosidade romântica e ingênua do Século XVI. Estamos regredindo rapidamente para antes do Iluminismo.


10 outubro 2017

SOBRE FEMINISMO E A LUTA CONTRA O PATRIARCADO


Dia sim, dia também, aparece no timeline do Facebook alguma coisa sobre a "luta" feminina contra o patriarcado... É um discurso cheio de incongruências delirantes e ameaças de indignação a partir de provas testemunhais, mas nunca argumentações efetivamente baseadas em dados estatísticos. Vejamos:

De acordo com dados da pesquisa Estatísticas de Eleitorado, publicada pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE), 76.534.83 mulheres votaram na última eleição, quase 53% do total de 146.470.880 eleitores no País.

Apesar do sufrágio feminino no Brasil datar de 1932, e o direito constitucional ao voto universal após os 16 anos de idade ter quase 30 anos de existência, atualmente apenas 10% das cadeiras legislativas são ocupadas por mulheres.

Nesse meio tempo, os homens continuam sendo maioria absoluta entre os trabalhadores de limpeza pública, construção civil, segurança, transporte de cargas e operação de maquinários pesados, entre outros setores que exigem desgaste físico e riscos. Talvez por isso os representantes do "patriarcado opressor maldito" respondam por 75% dos óbitos em acidentes de trabalho - além de serem 91% das vítimas de homicídio no Brasil (4 de cada 5 mortes por violência doméstica são do sexo masculino).

Grande "luta contra o patriarcado", hã?

Nossa nação, essa coleção de milhões de pessoas mentalmente doentes (dados da OMS), não tem problemas de patriarcado: tem um problema de falta de inteligência e leitura.

Essa gente desconectada da realidade não sabe do que reclama...

MEDICINA ALTERNATIVA NÃO EXISTE


Sou obrigado a confessar: tenho restrições profundas quanto ao termo “medicina alternativa”.

Primeiro, porque Medicina é uma ciência. Pode não ser um primor de exatidão, mas, como toda ciência, busca insistentemente basear-se em evidências comprováveis e reproduzíveis. Em segundo lugar, porque o vocábulo alternativo virou um sinônimo obsequioso para embuste.

A identificação e análise dos fatos reais como padrão de valor definitivo para a construção do conhecimento atende pelo nome de Método Científico - uma abordagem formalizada por Francis Bacon em seu fascinante Novo Organum, publicado há quase 400 anos. Desde então, o Método exposto por Bacon produziu uma revolução no gnosticismo sincrético, empurrando definitivamente o pensamento para além da zona de conforto dos “achismos pessoais”, das “provas testemunhais anedóticas” e do “meu jeito de ver ou fazer as coisas”.

Em 1972, Archie Cochrane, um epidemiologista escocês, elevou o Método proposto por Bacon a uma nova categoria ao publicar um dos grandes marcos na história da medicina. Em seu livro Effectiveness and Efficiency: Random Reflections on Health Services, Archie defendeu o emprego de evidências estatisticamente fundamentadas como ferramenta avaliadora das condutas médicas. Com o tempo, esta prática foi sendo cada vez mais adotada e disseminada, levando à criação de centros de pesquisa de Medicina Baseada em Evidências (MBE) e de uma organização internacional chamada Cochrane Collaboration.

Por tudo isso, é uma afronta afirmar que existe algo como medicina alternativa, do mesmo modo que é enxovalhar a lógica dizer que existe algo como uma Geografia Alternativa ou uma Engenharia Alternativa ou uma Magistratura Alternativa. Medicina requer padrões de aplicabilidade assentados em comprovações sólidas. Adicionar o sobrenome “alternativo” a este descalabro sugere logo de cara: “não temos provas suficientes para isso”.

Sem evidências escrupulosas que lhe dê suporte, a argumentação a favor de um determinado artifício não se justifica apenas porque ele é alternativo. Que o chamem pelo nome devido: picaretagem, trapaça, vigarice, misticismo, religiosidade - ou um procedimento experimental, na melhor das hipóteses. Mas, em nenhum desses casos, um expediente alternativo deveria – ou poderia - ser rotulado de Medicina.

Chamar um tratamento qualquer de “medicina alternativa” lhe confere um significado que traz embutido em si todo um viés de probidade, de aplicação de métodos axiomáticos, de meta-análises e revisões sistemáticas da literatura, e de considerações éticas e morais, além da áurea de um escrutínio pormenorizado dos índices de eficácia, efetividade e segurança daquela abordagem.

Se algo considerado “medicina alternativa” possuísse evidências consistentes e honestas de sua irrefutabilidade, este algo poderia simplesmente abandonar o termo “alternativo” e passar a denominar-se Medicina. Mas, em não sendo este o caso, deveríamos ter a honradez de batizar os tratamentos alternativos pelo que eles de fato são: condutas de validade duvidosa baseadas em efeitos placebos questionáveis.

Eu sei, esperar por este nível de integridade é querer muito do mundo real e suas alucinações alternativas... Mas a ciência é uma dádiva tão maravilhosa para a humanidade! Quem sabe, um dia, nos tornemos decentes o suficiente para não distorcê-la mais com as torturas de nossas inseguranças infantis. Até lá, os bons apreciadores do Novo Organum continuarão assistindo de camarote o relativismo alternativo investindo sua carnificina visceral sobre os notáveis conceitos propostos por Chochrane, Galileu, Newton, Jenner, Fleming... e na mesma fogueira da doutrina pseudocientífica continuarão sendo arremessados qualquer um e qualquer coisa que ouse ameaçar as crenças vigentes preferidas do momento com doses terapêuticas de Razão.


TIBOLONA PARA MENOPAUSA: É EFICAZ DE VERDADE?


Sim, é.

Revisões sistemáticas da literatura mostraram que a Tibolona é mais eficaz que placebos no alívio ondas de calor, suores noturnos e outros sintomas vasomotores.

Quando comparada à Terapia de Reposição Hormonal (TRH) convencional (estrogênios conjugados, p.ex.), a Tibolona  apresentou uma menor ocorrência de sangramentos vaginais como efeito colateral, ainda que tenha sido menos eficaz que a TRH no alívio dos sintomas vasomotores.

Em um excelente estudo randomizado, duplo-cego e placebo-controlado envolvendo 65 mulheres saudáveis entre 40-55 anos de idade, tratadas durante 12 semanas com 2,5 mg de Tibolona por dia, foram observadas melhoras significativas na bioquímica sanguínea e na atrofia endometrial, sem alterações ponderais ou efeitos colaterais importantes.

Apesar da dose diária habitualmente receitada ser de 5,0 mg, vários estudos realizados nos últimos  25 anos documentaram que doses de até mesmo 1,25 mg / dia são eficazes para melhorar a densidade mineral óssea e reduzir o risco de fraturas por osteopenia e osteoporose.

Em termos de segurança, a Tibolona não afeta o risco de câncer endometrial, mas existem preocupações quanto ao aumento do risco para câncer na mama em mulheres que já sofreram do problema no passado.

22 setembro 2017

CONDROITINA E GLUCOSAMINA SÃO EFICAZES PARA TRATAR OSTEOARTRITE?

Não, não são.

A eficácia do uso de Glucosamia + Condroitina (GC) no tratamento de casos de osteoartrite (OA) há muito é motivo de grandes controvérsias.

O American College of Rheumatology não defende o uso de GC para casos de osteoartrite, e o mesmo ocorre com os protocolos clínicos do American Academy of Orthopaedic Surgeons e do Osteoarthritis Research Society International. Contudo, a despeito destes guidelines, os suplementos de GC têm alcançado recordes de vendas – um absoluto desperdício de dinheiro.

Já em 2005, alguns autores apontavam para a falta de efetividade comprovada de GC em pacientes com OA.  Uma metanálise publicada em 2010 concluiu que glucosamina, condroitina ou uma combinação de ambos não era eficaz para aliviar dores articulares, tampouco produziam qualquer impacto na recuperação da cartilagem articular quando comparados a placebos.

Finalmente, em 2017, uma ampla revisão da literatura investigou novamente os dados sobre a eficácia clínica e a segurança da GC em pacientes com OA. Mais uma vez, tanto a glucosamina quanto a condroitina se mostraram seguras, com poucos efeitos colaterais sérios, mas não foram encontradas evidências suficientes que apoiassem cientificamente sua validade em pacientes com osteoartrite.

19 setembro 2017

Doenças Mentais versus Países

Países com a maior incidência de doença mental e transtornos patológicos de comportamento, segundo a OMS:

10 setembro 2017

VOCÊ SABE O QUE SIGNIFICA KISS?

Há alguns anos, em um curso de vela oceânica, tive contato pela primeira vez com uma filosofia de marinhagem que achei absolutamente fantástica. Algum tempo depois, envolvido no aprendizado de técnicas de sobrevivência na selva, esbarrei com exatamente o mesmo acrônimo. Pelo visto, era um princípio universal de eficiência para ambientes inóspitos.

Esse lema, desenvolvido na década de 1960 pela marinha americana, recebeu o apelido de KISS:

Keep
It
Simple,
Stupid

TUDO em um barco - e TODAS as sua ações no meio da mata - devem se basear nisso. Para que você otimize suas chances de sobrevivência, cada peça de equipamento, cada movimento e cada decisão devem ser selecionados a partir desta moldura.

O que não te ajuda, te atrapalha.
O que não te faz melhor, te piora.
O que não serve para o seu progresso, bloqueia inutilmente o seu caminho.

Eu recomendaria expandir o conceito KISS para a vida como um todo.

A simplicidade é a derradeira sofisticação. Mantenha tudo simples.

SOBRE A EPIDEMIA DOS NOVOS TEMPOS

Ao longo do Século XX, a ideia de que a vida indolor é um direito fundamental se impôs como um ideal. O amplo acesso aos analgésicos produziu uma multidão de órfãos da dor como ferramenta de autopurificação e autopromoção.

Mas não demorou muito para que este rebanho adotasse um outro sintoma como forma de se diferenciar das outras manadas: logo eles descobriram o Sofrimento, esta versátil emoção voluntária. Sofrer, lamento informar, NÃO é um fenômeno orgânico compulsório.

Segundo Karnal, "todo sofrimento traz em si um tempero do mais puro narcisismo: ser visto sofrendo dá alimento simbólico a um eu faminto por atenção". E agora, no lugar dos estigmas sangrantes na carne e dos santos anoréticos perambulando pelo deserto, vemos proliferar legiões de ansiosos e depressivos disputando o altar-mor da melancolia redentora, desfilando lúgrubes de um consultório ao outro enquanto arrastam consigo suas lamúrias de comiseração e receitas de uso contínuo.

Ninguém mais quer assumir a responsabilidade pelas consequências de suas próprias escolhas. A Maturidade - aquela dama de sabedoria elegante e serena resiliência - se tornou um conceito tão antigo quanto desconhecido.