12 setembro 2007

DUAS COLHERES DE SORRISO, VÁRIAS VEZES AO DIA

© Dr. Alessandro Loiola


O médico Thomas Sydenham disse, lá pelo Século XVII, que a chegada de um bom palhaço causa mais influências benéficas à saúde de uma cidade que vinte carroças cheias de medicamentos. O célebre Voltaire tinha idéias semelhantes quando afirmou que a arte da medicina consiste em manter o paciente alegre e sorrindo enquanto a natureza faz a sua parte.

A ciência está começando a confirmar que rir faz um bem danado à saúde. Rindo perante os desafios, você sai do medo paralisante e enxerga mais claramente todas as suas alternativas. Durante o riso, o cérebro libera neurotransmissores que aumentam o nível de alerta, a capacidade de concentração e diminuem a sensibilidade à dor.

Uma boa risada estimula os músculos da face, do abdome e o diafragma. Dependendo da sua animação, a sacudida pode chegar aos músculos dos braços e das pernas. Rir também ajuda no controle da pressão arterial, protege o coração, aumenta a oxigenação do sangue e estimula células estratégicas no sistema de defesa, chamadas Natural Killers, responsáveis pelo combate às células cancerosas. Os cientistas descobriram que assistir vídeos de comédia eleva os níveis de anticorpos na saliva, aumentando a proteção contra infecções como resfriados.

Os bebês começam a rir por volta da 10ª semana de vida. Com 4 meses, eles riem uma vez a cada 1 hora, em média. Aos 4 anos, rimos uma vez a cada 4 minutos – ou 360 vezes por dia. Infelizmente, quando atingimos a idade adulta, passamos a rir menos de 15 vezes por dia. Parte disso é influência da cultura, que estimula o comportamento sóbrio, mas parte é nossa culpa. É preciso mudar. Afinal de contas, risadas não são um remédio difícil de engolir.

Para melhorar seu humor, recomendo incluir as seguintes recomendações no seu dia a dia:

1) Exagere na projeção dos seus anseios. Isso ajuda a ter uma idéia exata do tamanho das nossas tolices. Por exemplo: o vendedor lhe convenceu que, sem aquela maravilhosa TV de plasma de 500 polegadas, sua vida não tem mais propósito algum. Isso apesar do preço da TV ser maior que a venda dos seus dois rins. O que fazer? Saia e dê uma passada na seção de piadas da livraria mais próxima. Folheie alguns exemplares por alguns minutos e então retorne à loja, mais calmo. Procure o vendedor e pergunte: “Você aceitaria uma córnea de entrada e o fígado em suaves parcelas?”

2) Treine seus sentidos para perceber o humor escondido nos lugares mais inesperados: nas coisas que as crianças dizem e escrevem, nas situações constrangedoras que você irá se envolver durante o dia, naquela piada que seu chefe está contando pela quarta vez esta semana, etc.

3) Piadas. Ao ouvir uma boa piada, escreva-a em um pedaço de papel e guarde consigo. Conte-a para cinco pessoas assim que puder. Se forem 5 pessoas que não ouviram a piada junto com você da primeira vez, melhor. E ria bastante das piadas dos seus amigos. Eles se sentirão melhor e você parecerá mais simpático, facilitando quando for pedir dinheiro emprestado.

4) Interaja ! No banheiro, depois de certificar que as visitas e aquele seu parente metido à psiquiatra não estão por perto, posicione-se na frente do espelho e faça caretas pra você mesmo. Com o mesmo cuidado para não ser confundido com um fugitivo do manicômio mais próximo, converse e ria com estranhos no elevador, no ponto de ônibus, na fila da padaria. Brinque com as crianças feito uma criança.

5) Tenha um animal de estimação e divirta-se com ele. Não, trazer sua sogra para dentro de casa e ensiná-la a buscar o jornal na portaria não é um começo, mas mostra que você está perto de entender o conceito.

6) Uma vez, eu disse a um paciente: o senhor continua sentindo suores, aceleração dos batimentos cardíacos ou fadiga durante a noite? “Só quando dou sorte com a patroa, doutor” – ele respondeu. Moral da história: não economize esforços na sua busca pelo lado cômico da vida. Perdeu contato com aquele seu amigo engraçado? Procure no catálogo telefônico, na Internet, freqüente sessões espíritas, se preciso.

7) A morte faz parte da existência desde o surgimento do primeiro ser vivo. Mas você não morreu ainda, certo? Então aproveite!

---
Dr. Alessandro Loiola é médico, palestrante e escritor, autor de PARA ALÉM DA JUVENTUDE – GUIA PARA UMA MATURIDADE SAUDÁVEL (Ed. Leitura) e VIDA E SAÚDE DA CRIANÇA (Ed. Natureza). Atualmente reside e clinica em Belo Horizonte, Minas Gerais.

4 comentários:

Regina Couto disse...

Alessandro eu estava tensa, com raiva de um amigo que me irritou no MSN . Aliás um belo tema pra vc dissecar. Deve ter muita gente morrendo de ataque cardiaco quando namora no virtual ..rsrs
Ri muito com este testo, adorei.
Justo eu que sou brincalhina e não perco o bom humor, hoje perdi!Recuperei lendo seu blog! Obrigada Doutor, vou sempre lhe procurar , não lhe perderei de vista.
Grande abraço
Regina

Regina Couto disse...

ops teXto, brincalhona... foi a raiva...rs

Anônimo disse...

Dr. Alessandro
tenho codiloma e estive no medico aqui na minha cidade em agosto e ele fez a cauterização,mas dois meses depois reapareceu as verrugas,voltei a procura-lo e ele simplismente passou um liquido e disse que ñ preciso me preoculpar e volte para nova consulta daqui as duas semanas.
No seu comentario vi que feito o tratamento correto ele sera eficaz,e agora oque eu faço se o medico so mediz para ficar calmo e o tempo vai curar?

desde ja agradeço!

um forte abraço

Anônimo disse...

a minha irmã pegou essa doença, mas o meu ginecologista que é o mesmo dela disse que as vezes aparece só uma vez, mas se aparecer dinovo, ele falou que ela terá que fazer uma pequena cirugia, ele falou que se aparecer mas de uma vez não tem jeito, tem que mandar tirar se não vai aparecer outra vez, por isso não acredito que vai sumir de uma vez, que um conselho procura outro medico mas rapido possivel, que esse ai tem que voltar para faculdade, melhoras.