30 setembro 2007

DOS ACELERÔMETROS À SERENDIPIDADE

© Dr. Alessandro Loiola


Não vendo nem represento empresas de eletroeletrônicos, mas sou obrigado a lhe perguntar: você sabe o que é Wii? (Se pronuncia como os franceses dizem sim: uí). Disfarçado de videogame, o Wii é o prenúncio de uma revolução camuflada de brincadeira.

Funciona assim: o controle sem fio do Wii possui sensores especiais chamados Acelerômetros que captam as ações do jogador em 3 dimensões (linear, vertical e de rotação), transferindo-as para o ambiente do jogo na TV. Para arremessar uma bola de boliche durante uma partida, por exemplo, você deve ficar de pé em frente à tela, que exibe uma pista e todos os respectivos pinos, e arremessar sua bola virtual fazendo os movimentos de uma partida de boliche real.

O mesmo princípio vale para jogos de golfe, duelos de espada e lutas de boxe. Em todos eles, você se movimenta de verdade, ao invés de apenas ficar esparramado no sofá apertando botões e ganhando tendinites. Mas o taco de golfe, a espada e a bola de boliche têm o peso de um pequeno controle remoto dotado de acelerômetros. Nada de força física. Apenas habilidade.

A tecnologia que desaguou no Wii não é nova. Desde a década de 1990, a indústria automobilística vinha utilizando acelerômetros para avaliar acidentes e desenvolver airbags mais eficazes. No cinema, técnicas similares são empregadas há vários anos para animar personagens virtuais - vide o extraordinário Tom Hanks digitalizado no filme O Expresso Polar.

Apesar dos jogos utilizando a tecnologia Wii terem sido lançados há cerca de 1 ano, o preço limitou sua popularização do lado de cá da Linha do Equador. Na banda de cima do Globo, contudo, a história é diferente e recentemente a tecnologia Wii começou a conquistar um público no mínimo curioso.

Jornais como o Dailly, um periódico produzido por estudantes da Universidade de Washington (EUA), e o prestigiado Chicago Tribune vêm dedicando páginas ao “fenômeno Wii” entre americanos com mais de 60 anos.

Não é difícil perceber o atrativo dos jogos Wii para a Terceira Idade. Eles reúnem - em um só pacote - entretenimento de fácil aprendizagem, sociabilização em um ambiente alegre e dinâmico, e possibilidade de movimentação ativa sem sobrecarga de peso. Em outras palavras: um prato cheio para festas animadíssimas! Precisa mais? Sim, precisa: o Wii aguarda ansiosamente a chegada da Serendipidade.

O termo Serendipidade é aplicado para designar descobertas acidentais feitas graças à criatividade de pessoas extraordinárias. Por exemplo: a descoberta da penicilina em 1928, pelo bacteriologista Alexander Fleming, ocorreu pela observação cuidadosa de um acidente de laboratório. Outros exemplos de Serendipidade incluem as vacinas, a pílula anticoncepcional, o cateterismo cardíaco e o famoso Viagra.

O Wii é um terreno fértil para a Serendipidade. Ele pode ter começado seus dias com octogenários lutando boxe no meio da sala e netos entusiasmados gritando “vai vovó, dá um direto de esquerda nele!”, mas podemos ir além. Muito além.

Pense em cadeiras de rodas Wii e computadores acionados com discretos meneios de cabeça. Casas Wii onde os moradores regulam desde o canal da televisão à altura do fogo no forno e a temperatura da água no chuveiro com um controle remoto universal capaz de compreender movimentos simples desenhados no ar. Tente imaginar o impacto destes avanços na vida de pessoas portadoras de deficiências.

Hoje, artríticos e cardíacos podem disputar campeonatos de golfe através de consoles Wii, exercitando sem acúmulo de esforço, liberando endorfinas e melhorando sua qualidade de vida. Logo os acelerômetros estarão estimulando obesos sedentários a andar, correr e dançar, reduzindo seu risco cardiovascular. Jogos Wii poderão tornar a reabilitação menos penosa para vítimas de derrame ou acidentes, ou pessoas submetidas a cirurgias articulares, potencializando a recuperação. As aplicações desta tecnologia em saúde tendem ao infinito.

Dizem que o futuro costuma chegar sem aviso. Prefiro acreditar que, algumas vezes, ele manda sim seus sinais. Até mesmo na imagem de um grupo de velhinhos rindo e se divertindo pra valer em uma inocente partida de boliche virtual.
---
Dr. Alessandro Loiola é médico, palestrante e escritor, autor de PARA ALÉM DA JUVENTUDE – GUIA PARA UMA MATURIDADE SAUDÁVEL (Ed. Leitura) e VIDA E SAÚDE DA CRIANÇA (Ed. Natureza). Atualmente reside e clinica em Belo Horizonte, Minas Gerais.

3 comentários:

Ismeria disse...

Esta materia e excelente.
Eu estou tendo a oportunidade de conhecer e brincar com o wii.
O jogo de boliche e o que mais gosto. O interessante e que nunca joquei boliche e ja estou me tornando uma campea do meu grupo.
Pena que nao e facil adquirir o jogo.

Ismeria disse...

Realmente, a tecnologia moderna tem avancado muito e ira contribuir imensamente para uma vida de qualidade para os menos favorecidos.

regina Couto disse...

Não conheço ainda , ou talvez conheça e nem saiba do que se trata.Jogo boliche aqui na net e me divirto muito. Tb jogo em pista mas é ótimo faz um bem imenso.
Mais uma quase sexagenária se divertindo com o Wii ou algo semelhante.Ótima matéria.
Abração
Re