09 março 2008

TPM - GUIA PARA SOBREVIVENTES

© Dr. Alessandro Loiola



Muitos pesquisadores consideram a Tensão Pré-Menstrual, ou TPM, um evento fisiológico absolutamente normal. Do mesmo nível que acessos de riso, flatulências em público e homens que não cortam as unhas dos pés. É óbvio que estes pesquisadores devem ser solteiros, moram em gaiolas e não tem a menor idéia do que estão falando.

A TPM afeta até 80% as mulheres em algum momento de suas vidas, sendo mais comum entre os 20 e 30 anos de idade. Em cerca de 5% dos casos, os sintomas são graves o suficiente para incapacitar completamente a pobre durante a crise. E isso não tem nada de fisiológico.

A lista de sintomas da TPM possui mais de 150 itens, sendo os principais: cólicas abdominais (causadas pela contração do útero), fadiga, urticária, irritabilidade, isolamento social, depressão, ansiedade, insônia, baixa auto-estima, dores para todo lado, diminuição do desejo sexual, hiperreatividade emocional (briga com filhos, marido, cabelo, geladeira, esmalte, meia-calça...), problemas de memória, dificuldade de concentração, incapacidade para terminar tarefas, náuseas e alterações do apetite.

Não se sabe a causa exata da TPM. Alguns sugerem que a síndrome esteja relacionada a uma sensibilidade anormal aos níveis de progesterona liberados durante a segunda metade do ciclo menstrual. Um dos efeitos desta supersensibilidade seria a redução dos níveis serotonina, um neurotransmissor envolvido no controle do humor.

De fato, boa parte das manifestações da TPM está relacionada às alterações nos níveis de estrogênio e progesterona, que começam a ocorrer uma ou duas semanas antes de chegada da menstruação. Outros fatores hormonais, nutricionais e afetivos também participam da entorna do caldo.

Algumas mulheres sofrem de TPM a vida inteira, outras nunca, algumas nem percebem. Se você acha que tem sorte e a TPM ainda não lhe pegou, tenho uma notícia: lembra aquele dia em que você percebeu no almoço que havia saído cedo de casa com a blusa virada de frente para trás? E apenas no final da tarde se deu conta que havia consertado colocando do lado avesso? Era ela. A bendita. A TPM.

E quando você começou a pensar que o homem perfeito não era alto, moreno e sexy, mas qualquer um que viesse cego, amordaçado e de preferência em chamas ou com alguma doença terminal? Pois olha aí. Ela de novo.

Dizem que principal diferença entre um grupo de terroristas e um grupo de mulheres com TPM é que você pode negociar com o primeiro. Pessoalmente, eu não acredito nisso. Alguns terroristas não são perigosos desse jeito. Em todo caso, para ajudar a controlar a TPM e evitar acidentes com armas biológicas no futuro, recomendo que você considere as seguintes dicas:

- Siga uma alimentação saudável. Uma dieta balanceada, pobre em sal e rica em nutrientes naturais, oferece ao corpo os elementos certos para reduzir os sintomas, a retenção de líquidos, a fadiga e as cólicas. Mas nada de extremos: permita-se um mimo e compre 2 ou 3 bombons.

- Faça exercícios ! Atividades aeróbicas aliviam o estresse e aumentam os níveis de endorfinas e outros hormônios com propriedades relaxantes. O efeito é melhor quando os exercícios são realizados regularmente, e não apenas quando aquele espírito homicida ameaça tomar conta do seu corpo.

- Largue esta praga chamada cigarro. Além de aumentar seu risco para uma infinidade de desgraças, o cigarro também acentua os sintomas da TPM.

- Converse com seu médico a respeito de suplementos naturais. O cálcio é capaz de reduzir os gases, a depressão e as dores em algumas mulheres. O magnésio é útil nos casos de TPM associada à enxaqueca, mas não deve ser utilizado por pessoas com problemas renais. A associação de magnésio com piridoxina (vitamina B6) pode ser empregada para reduzir a ansiedade associada a TPM. O Vitex (Vitex agnus castus) é um fitoterápico muito popular que reduz as dores nas mamas, as alterações de humor e a constipação intestinal na TPM.

- Mantenha um bom padrão de sono, diminuindo a quantidade de café e açúcar à noite. E nada de bebidas alcoólicas durante o período.

- Se você estiver no pequeno grupo de mulheres que se tornam inválidas durante a TPM, verifique com seu médico a possibilidade de utilizar medicamentos mais específicos para o problema. Eles existem e incluem antidepressivos, diuréticos e antiinflamatórios não-hormonais.


---
Dr. Alessandro Loiola é médico, palestrante e escritor, autor de PARA ALÉM DA JUVENTUDE – GUIA PARA UMA MATURIDADE SAUDÁVEL (Ed. Leitura, 496 pág.) e VIDA E SAÚDE DA CRIANÇA (Ed. Natureza, 430 pág.). Atualmente reside e clinica em Belo Horizonte, Minas Gerais.

6 comentários:

nandira disse...

Dr. Alessandro, que ótimo este debate referente a TPM, vc sempre inovando em suas colunas, muito bom mesmo, parabens, sucessos.

Anônimo disse...

Dr. Alessandro, que ótimo este debate referente a TPM, vc sempre inovando em suas colunas, muito bom mesmo, parabens, sucessos.

nandira disse...

Dr. Alessandro, que ótimo este debate referente a TPM, vc sempre inovando em suas colunas, muito bom mesmo, parabens, sucessos.

Hope, its the last to die disse...

Olá, Dr. Alessandro Loiola

Agradeço qualquer informação sobre o q vou relatar:

Sofro de dismenorreia primária e secundária, mas o caso concreto que gostaria de expor é de, enxaqueca de duração de cerca 24 horas fortissima do lado direito localizado perto do olho direito, sempre que a hemorragia aparece, que levem a vomitos, nauseas, mas o pior ainda, é a uma rigidez muscular desde os musculos do pescoço até à zona lombar, que dura umas largas horas...sempre tive a enxaqueca toda a minha vida, com pilula sem pilula, esta rigidez apareceu há uma decada para cá, e é horrivel, horrivel,incapacitante durante as horas que me acomete...

Sabe de casos parecidos,?? serei só eu! nunca ouvi tal... tentei pesquisar sobre isto, mas não descobri nada.

Agradeço do coração alguam informação que me possa fornecer!
O meu mail é kinynha@gmail.com
Muito obrigada mais uma vez!

Josy Guerra disse...

Dr. Loiola,
Nunca li algo tão real sobre TPM, nem escrito por mulher.
Mas só para seu banco de informações... meu caso é extremo, mesmo fazendo ginástica localizada todo dia a maldita não me largava. Mas foi a única atividade que aliviou. Meu caso é tão sério, que tenho certeza que se nao fosse minha crença na bíblia, amar ao próximo... já teria enviado muitos próximos para o infa ou céu...
RRSS
Obrigada por escrever sobre nós, dei muitas risadas e estou de TPM.
Josy Guerra/ Brasília-DF

Dr. Alessandro Loiola disse...

Josy, fico feliz em ser útil de alguma forma.
Um abç,

A.